ArtigosArtigos ExternosThe Sims

As Tragédias do The Sims que Mudaram Muito

As histórias tristes que continuem tristes, mas que ficaram diferentes.

O jornal Newstatesman publicou um vídeo muito interessante falando sobre as questões trágicas envolvendo o The Sims, e que nem sempre foram percebidas completamente pela comunidade. Confira!

Muita coisa mudou em 20 anos, mas ainda há algo infinitamente triste no The Sims

Há algo inevitavelmente trágico no The Sims. No jogo original, que completou 20 anos, era inegável a melancolia que vinha daqueles seres humanos simulados. Os adultos nunca morriam – os bebês eram adotados, e depois de serem bem cuidados por três dias, cresciam e eram fadados a passar por uma infância interminável.

A vida dos Sims originais só poderia terminar em fracasso – os bebês negligenciados eram levadas pelos serviços sociais, enquanto as crianças eram levadas ao internato, para nunca mais voltar. Eles não mudavam fisicamente, se apaixonavam pela primeira vez ou tinham filhos “realmente” biológicos.

Os Sims adultos também permaneciam perpetuamente na meia-idade, eles podiam trabalhar e acumular somas cada vez maiores, mas sem um fim real. A única recompensa pelo trabalho era mais trabalho. Os filhos, por mais bem alimentados que fossem, permaneciam presos na juventude perpétua.

Talvez essa seja uma das razões – isso e o fato de eu ter dez anos na época – que me encantou tanto em matar meus Sims. Somente a morte lhes dava algum significado, e havia muitas maneiras de um Simmer cruel matar seus Sims: dizer a eles para entrar em uma piscina e, em seguida, excluir a escada para que não pudessem sair, para que eventualmente sucumbissem à exaustão e se afogassem. Também era possível adicionar ao redor deles diversas lareiras e esperar o sofá pegar fogo até que eles também queimem até a morte. Eletrocutando-os fazendo com que consertem um computador ou televisão quebrada enquanto estão cansados ​​ou em pé em uma poça de água. Fazê-los morrerem de fome até a morte. Deixá-los desaparecer lentamente depois de serem mordidos por um porquinho da índia. Por serem imortais, a vida dos Sims originais poderia terminar de duas maneiras: fracasso e estagnação.

Tudo isso mudou com o The Sims 2. Os Sims poderiam, pela primeira vez, envelhecer e morrer. Seus filhos, em vez de serem uma série de rostos pré-fabricados, assumiram e transmitiram os traços genéticos de seus pais, e e cresciam. Posteriormente, os pacotes de expansão fizeram coisas apropriadamente adultas, como ir à universidade, administrar seus próprios negócios e, eventualmente se aposentar. A tragédia do potencial infinitamente não realizado – de Sims que não podiam fluir, murchar ou mudar de estado – foi substituída pela tragédia de Sims, cujo potencial foi limitado pela passagem do tempo.

O verdadeiro conflito da morte real – um amado avô morrendo de velhice no banheiro, uma jovem mãe sendo esmagada até a morte por um satélite que caiu do céu – é um tipo diferente de tragédia, mas acrescentou profundidade e significado a vida dos Sims. Talvez simbolicamente, na época do The Sims 3, você não podia mais matar seus Sims removendo a escada de uma piscina: como um ser humano real, os Sims agora poderiam sair pelas bordas.

Concedida a definição de uma vida útil finita, no momento em que o The Sims 2 foi lançado, eu havia parado de matar o The Sims por esporte. Além disso, cresci um pouco e passei de uma criança sádica para um adolescente profundamente envolvido. Em vez de matar meus Sims, me envolvi em uma ideia estranha de como seria a vida adulta, me tornar adolescente, me apaixonar, encontrar um emprego, me casar, ter 2,4 filhos, comprar uma casa e construir uma dinastia de descendentes, que viveriam em níveis crescentes de opulência. (Uma maneira pela qual o The Sims é muito parecido com a vida real é que ganhar dinheiro é bastante difícil quando você começa, mas é muito fácil continuar ganhando se você nasceu endinheirado.)

Agora, como adulto, tenho um emprego, um apartamento e um casamento, e sequer tenha 0,4% de um filho – ainda jogo The Sims 4. Meu sim está morto há muito tempo, tendo vivido o suficiente para ver seus três filhos crescerem, se mudarem para suas próprias casas deslumbrantes – construir as casas é uma parte central da alegria dos Sims, e se você me perguntar – tem seis netos, um dos quais ele viveu para ver ir para a universidade.

Seus descendentes vivem uma vida de segurança bem remunerada, graças em parte ao seu próprio trabalho duro, mas também às fortunas que herdaram. (Minha neta mais velha é uma chef famosa em três restaurantes, paga em grande parte graças aos royalties dos livros de seu avô.)

Eu sou da geração pela qual os Sims deixaram de ser uma ideia infantil sobre um futuro quase garantido para chegar ao escapismo de um futuro que não está garantido: meus filhos hipotéticos dificilmente serão mais ricos ou mais saudáveis do que eu na vida real​, embora se tivermos muita, muita sorte, eles certamente serão melhores.

As chances de eu morrer no banheiro ainda são assustadoramente altas.

Fonte
Newstatesman
Tags

SimsTime

Depois de surfar uma onda de plumbobs e conversar com uma lhama no ShangSimla, este que vos fala está mais do que preparado para mantê-los informados sobre todas as novidades do mundo Simmer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar