The Sims 4The Sims 4 Estações

Blog de Comunidade: Conheça a Família Climate – Parte 2

Leia a segunda do blog de comunidade dedicado à família Climate.

Foi disponibilizado pela EA.com um novo Blog de Comunidade do The Sims 4 Estações.

The Sims™ 4 Estações* é um pacote essencial, que ajuda os jogadores a contar histórias enquanto o clima, os feriados e as estações afetam a vida diária dos Sims. Para dar a você uma ideia do conteúdo do pacote – e também de algumas coisinhas divertidas de outros pacotes – vamos compartilhar um ano da vida da família Climate. Esses personagens estarão disponíveis na Galeria e será necessário ter o The Sims 4 Estações para jogar com eles. 

Essa é a segunda parte de uma série de quatro. Confira a Parte Um aqui

Parte Dois – Férias de Inverno

A Manhã do Festival de Inverno

Da varanda, Nicolas Climate viu a grande capa de neve branquinha em seu quintal. Sua irmã mais velha, Summer, estava no andar de cima, falando ao telefone. Sua mãe, Janine, estava tirando uma soneca merecida após preparar tudo para o Festival de Inverno. E seu pai, Arthur, estava completamente distraído decorando a Árvore de Fim de Ano.

Ninguém estava vendo. Era hora de agir.

Nicolas saiu em disparada da varanda, o que significa que ele desceu vagarosamente as escadas com seus passos incertos de bebê. Quando já estava na neve, ouvindo o estalos sob suas botas, sua respiração visível no ar frio, ele começou a correr na direção do barracão. Ele tinha certeza de que os presentes estavam escondidos ali.

Vinte metros do barracão. A distância ia diminuindo e a porta ia ficando maior enquanto ele se aproximava.

Dez metros do barracão. Suas perninhas se moviam velozes, enquanto ele se aproximava do prêmio. Estava tão perto.

Cinco metros do barracão. Ele já podia imaginar o rangido da porta de madeira quando a abrisse, revelando uma montanha de presentes só para ele. Nenhuma embalagem estava segura. Ele ia abrir todas elas.

Só mais alguns passos. . .

“O que você pensa que está fazendo, pequenino?”, Arthur perguntou, pegando-o no colo. “Não tem nada para você no barracão, carinha.”

Droga! Pego em flagrante! Pelo chefão. O líder do bando. O papai.

Nicolas ria enquanto seu pai o balançava pelo ar, brincando. Não é que ele quisesse mesmo encontrar os presentes, mas a emoção do perigo era tentadora demais para resistir. Afinal, ele nunca podia entrar no barracão. Ele sabia que existiam segredos lá dentro.

O pai do Nicolas o colocou no chão para que eles pudessem brincar na neve. Jogando a neve fofa e branquinha para o alto, rindo e quase sem fôlego de tanta diversão. Eles estavam tão entretidos que não perceberam que começou a nevar de novo. Não notaram a temperatura gélida e o vento do inverno.

E também não notaram a enorme bola de neve que veio voando pelo ar e atingiu em cheio o rosto do papai.

TUM! Summer sabia que não devia jogar uma bola de neve perfeitamente formada no bebê da família. Além disso, acertar o papai não tinha preço. Nicolas mal podia acreditar em seus olhos.

Arthur tirou a neve do rosto e se abaixou imediatamente para pegar uma bola de neve e atirá-la na Summer, que estava rindo, atrás do canto da casa.

“Você pensa que é engraçadinha, né?”, provocou Arthur. “Eu inventei as bolas de neve!”

“Você vai inventar a gripe, se não entrar imediatamente!”

Janine estava na varanda, desperta após sua soneca, preocupada porque seu bebê estava lá fora há muito tempo.

“Ah, MmmmmmÃÃÃÃe!”, choramingaram as três crianças, ao mesmo tempo. A sinfonia de reclamações foi como música para os ouvidos da Janine.

“Ah, por mim tudo bem, se vocês não quiserem os presentes.”

Ela se virou e voltou para dentro. As crianças batem os pés, furiosas.

A Noite do Festival de Inverno

“A cidade fica tão bonita coberta de neve”, disse Janine, esperando em frente ao apartamento de sua amiga, em San Myshuno.

“Eu nunca me canso do Festival de Inverno. É o meu feriado favorito!”, complementou Arthur.

Os Climates andaram em direção ao paraíso de inverno de San Myshuno. Ele estava repleto de lanternas festivas, bonecos de neve, chocolate quente e famílias quentinhas vestindo botas e cachecóis.

As crianças correram até a Árvore de Fim de Ano, enfeitada com uma pilha gloriosa de presentes.

“Só depois do jantar”, explicou o Arthur, parecendo tão desapontado quanto as crianças.

Uma refeição grandiosa foi servida, com um pernil delicioso como o que eles comeram no Festival da Colheita. Era a primeira refeição grandiosa do Nicolas e ele adorou cada detalhe do feriado.

“Certo, agora que já terminamos o jantar. . .” começou Janine.

Justamente nesse momento, o Papai Inverno, com seu traje ridículo completo, deu um presente ao pequeno Nicolas. Todos riram, correram para a árvore e começaram a abrir os presentes.

Plim! Plim!

Janine pigarreou e chama a atenção de todos. “Foi um ótimo ano para nós, com o nascimento do pequeno Nicolas”. A família Smith sorriu e aplaudiu.

“Summer, você realmente tem nos ajudado muito, e gostaríamos de agradecer. Eu e o Arthur queremos levar você para algum lugar divertido no Fim de Ano, já que você odeia o frio. Também achamos que seria divertido, além de desafiador, dar ao Nicolas um gostinho do mundo. Então. . .”

Sem conseguir guardar a surpresa por mais tempo, Arthur declarou, “Nós vamos viajar para Selvadorada!”.
Summer aplaudiu e gritou, enquanto Nicolas observava curiosamente sua empolgação.

Alguns Dias Depois, em Selvadorada

“E tem templos e danças e comida picante e dizem que tem uma maldição e a selva está cheia de mistérios e…”

“Pai, respira!”, disse Summer. “Fique numa boa, pelo menos desta vez.”

“Olha só este lugar, querida!”, disse Arthur, que fez questão de comprar um chapéu ridículo que atraiu olhares incrédulos dos habitantes locais, da Summer, da Janine e até do Nicolas.

Mas uma coisa era verdade – era quente em Selvadorada, mesmo durante os meses do inverno.

Havia tanta coisa para fazer que a Janine e o Arthur sabiam que teriam que se separar para dar conta de tudo.

“Eu levo o Nicolas ao mercado”, ofereceu Arthur.

“Tomem cuidado, vocês dois”, disse Janine.

“Não se preocupe!”, gritou Arthur. “Vamos só comprar um facão e ver se encontramos algumas cobras ou algo assim.” Ele já tinha ido embora antes que ela pudesse protestar.

“Vamos nadar?”, perguntou Janine.

Summer ficou animada com a ideia de finalmente fazer algo divertido. “Achei que você nunca fosse perguntar.”

As duas calçaram botas e caminharam pela trilha, parando para pegar algumas bugigangas em alguns locais de escavação, tirando selfies na frente das ruínas e curtindo a paisagem em uma ponte de corda perigosamente precária.

“Acho que o pessoal daqui não liga muito para as normas de segurança”, disse Janine, ao sair da ponte balançante.

Por fim, elas chegaram a uma piscina antiga e majestosa, deixada por uma civilização há muito esquecida. As duas pularam na água para escapar do sol quente da selva. Quando tudo parecia perfeito, uma chuva torrencial começou a cair.

“Argh!”, gritou Janine. “Que maldição, voamos até aqui para curtir um inverno quente… Na chuva!”

Summer, quieta, nadava na piscina, com um enorme sorriso no rosto. “Eu não sei, mãe. Se isso é uma maldição, eu aceito!”

Fonte
EA Sims
Tags

SimsTime

Depois de surfar uma onda de plumbobs e conversar com uma lhama no ShangSimla, este que vos fala está mais do que preparado para mantê-los informados sobre todas as novidades do mundo Simmer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar